Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

do quarto para o blog

do quarto para o blog

19
Mar22

Estas palavras

francisco luís fontinha

As palavras cansadas

Que dormem nos teus lábios,

São poemas, são canções,

São flores

Neste jardim sem nome.

As palavras cansadas

Que habitam nas tuas mãos,

São saudade,

São enxada…

São diamantes das manhãs em fome.

As palavras…

Balas que disparo contra o teu peito.

 

 

Alijó, 19/03/2022

Francisco Luís Fontinha

12
Mar22

O caderno de geada

francisco luís fontinha

O cachimbo suicida-se nas mãos do poeta.

Era noite, caminhava pelos trilhos que a geada tinha desenhado e, na mão, o caderno embalsamado pelas palavras da morte, tinha medo do escuro, tinha medo dos versos envenenados pelo luar e, mesmo assim, caminhava, caminhava,

O cachimbo embrulhado em metástases desesperadas pela fadiga do corpo, do fígado saía o camuflado texto das palavras inventadas pelas crianças da aldeia, às vezes, poucas, tinha fome e,

Fumas?

E fumava desalmadamente até o nascer do Sol, poisava a caneta sobre a mesa-de-cabeceira, atirava o caderno contra o espelho, sonhava;

Sonhava!

O cabelo que outrora lhe tinha pertencido, fugiu para a praia mais distante, ficando ele, apenas com o usufruto do rio, uma enxada, rangia lá longe, nos socalcos e, o cachimbo

Sonhava!

E o cachimbo de mão dada com o caderno, como o amor de duas flores, uma roseira e um craveiro, uma sombra de luz poisava na boquilha, marinheiro agreste dos oceanos enlouquecidos, o falso milagre,

Sonhava…

E suicidou-se na minha mão.



Francisco Luís Fontinha

Alijó, 12/03/2019

08
Mar22

Vladimir Putin: o louco assassino

francisco luís fontinha

Que Vladimir Putin é louco e assassino, ninguém duvida. Infelizmente não é o único.

Condeno veemente o ataque ao povo Ucraniano, mas não sou hipócrita e, condeno também a chacina ao povo da Palestina ou o que a China está a fazer à minoria Uigure que todos os dias é chacinada; alguém se importa? Claro que não.

Temos um louco na Coreia do Norte, Venezuela, Irão e tantos outros; infelizmente são estes povos que sofrem com sansões, como o povo Cubano à mais de 60 anos. Alguém se importa? Claro que não.

Há pouco tempo Maduro era ditador e o povo da Venezuela atolado em sansões, hoje, os EUA decidiram negociar o aumento da exploração de petróleo na Venezuela, pois parece que dá jeito a Biden.

Volodymyr Zelensky é a partir de agora um fantoche nas mãos de Biden e o seu povo irá pagar caro a ajuda que está a receber; acreditem que não há almoços grátis.

Parece que com a invasão da Ucrânia quem está a enriquecer são os EUA e os Chineses; a EU perdeu, estando dependente em termos energéticos da Federação Russa aproximadamente em 260 Milhões de Euros por dia. Agora mesmo, Putin, proibiu as exportações de petróleo e gás.

Além da crise humanitária e económica, temo que a Europa venha sofrer no futuro com a quantidade de armas que estão a ser distribuídas, que ninguém controla e que no futuro podem (quase de certeza) vir a entrar nos circuitos do crime organizado.

E nada nos garante que nos próximos anos não apareça um louco na Ucrânia como Ossama Bin Laden, pois este individuo foi treinado e armado pelos EUA (CIA) para combater, nos anos 80, os Russos no Afeganistão e, mais tarde aconteceu aquilo que todos sabemos (11 Setembro). Esperamos que não.

A hipocrisia chega ao ponto de odiarem-se e sancionarem-se os intelectuais, artistas e desportistas da Federação Russa; acredito que muitos deles não têm culpa do louco e assassino que os governa.

Já agora retirem das prateleiras todos os livros de Fiodor Dostoievski, Tolstoi, Nikolai Gogol ou todos os quadros existentes em museus de Kandinsky.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha

04
Mar22

Estas palavras

francisco luís fontinha

As palavras envenenadas

Dançam sobre a floresta

Dos olhos cansados.

O poema nasce

Depois da noite se abraçar à ribeira,

O poema cresce,

Enforca-se nas páginas de um livro.

Os poemas são os olhos,

As palavras são a espingarda da madrugada,

As palavras envenenadas,

Que dançam sobre a floresta,

Nos olhos assassinados,

 

Nos olhos da madrugada.

As palavras morrem,

As palavras crescem,

A espingarda que dispara palavras,

Dentro da alvorada.

Estas palavras assassinas,

Nestas tardes de canseira,

As palavras disparadas,

Contra a lua desgovernada.

As palavras de mim,

Nas rochas amorfas da solidão…

Quando as palavras se enforcam.

 

 

Alijó, 04/03/2022

Francisco Luís Fontinha

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Favoritos

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D